Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte


Divulgados resultados das eleições Discentes do Departamento de Engenharia Elétrica

Informamos o resultado das eleições para representação discente junto ao Conselhos de Departamento e às Comissão de Coordenação de Curso dos Departamentos da Engenharia Elétrica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, conforme a portaria nº 2226/2017:

Colegiados e chapas eleitas:

Conselho do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas – PEA:

  • João Felipe Rezende de Andrade (Titular) e William Backhaus Lopes Moura (Suplente)
  • Bruno Cordeiro de Macedo (Titular) e Letícia Bonella Rangel (Suplente)

Conselho do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais – PCS:

  • Pedro Henrique Rezende Pompeu (Titular) e Tiago Santa Maria Rodrigues Marto (Suplente)
  • Vitória dos Santos Rosa (Titular) e Bruno José Móvio (Suplente)

Conselho do Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos – PSI:

  • Enrique William Garcia e Franco (Titular) e Diego Pinheiro de Moura (Suplente)
  • Thomas Palmeira Ferraz (Titular) e Rafael Seiji Yaginuma (Suplente)

Conselho do Departamento de Engenharia de Telecomunicações e Controle – PTC:

  • Diego Pinheiro de Moura (Titular) e Yargo Vó Tessaro (Suplente)
  • Juliana de Abreu Faria (Titular) e Júlia Mendes (Suplente)

Comissão de Coordenação de Curso do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas – PEA:

  • João Felipe Rezende de Andrade (Titular) e Letícia Bonella Rangel (Suplente)

Comissão de Coordenação de Curso do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais – PCS / Ênfase em Computação:

  • Tiago Santa Maria Rodrigues Marto (Titular) e Beatriz de Oliveira Silva (Suplente)

Comissão de Coordenação de Curso do Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos – PSI:

  • Thomas Palmeira Ferraz (Titular) e Enrique William Garcia e Franco (Suplente)

Comissão de Coordenação de Curso do Departamento de Engenharia de Telecomunicações e Controle – PTC / Ênfase em Automação e Controle:

  • Yargo Vó Tessaro (Suplente) e Júlia Mendes (Suplente)

Comissão de Coordenação de Curso do Departamento de Engenharia de Telecomunicações e Controle – PTC / Ênfase em Telecomunicações

  • Caio César Marques Pereira de Alcântara (Suplente) e Juliana de Abreu Faria (Suplente)

Os mandatos somente terão início após a validação do processo eleitoral pela Procuradoria Geral da USP.

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

 

Tanque Numérico da USP é credenciado por órgão internacional referência no setor

Laboratório sediado na Poli-USP passa a integrar a rede do ITTC, entidade que reúne principais tanques e simuladores navais do mundo

O Tanque de Provas Numéricos da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (TPN-USP) passou a fazer parte do International Towing Tank Conference (ITTC) neste ano de 2017, após ter seus trabalhos nas áreas de Experimentos em Tanque de Ondas e Simulações Navais reconhecidos pela comunidade científica internacional. O respeitado órgão, fundado em 1933, é uma associação independente de centros de pesquisa de hidrodinâmica, que oferece diretrizes para que os experimentos e simulações numéricas de embarcações sejam realizados dentro de um padrão de qualidade mundial.

Os membros do ITTC dão suporte para a indústria naval e instalações marítimas de diversos países, a partir dos rigorosos testes desenvolvidos nos laboratórios credenciados pela instituição. A integração do laboratório sediado na Escola Politécnica da USP à rede do ITTC foi concretizada após uma rigorosa análise das pesquisas realizadas pelo TPN, avaliação que levou em conta o número de publicações internacionais  e o impacto da sua produção científica em nível mundial.

Além de ter a sua infraestrutura elencada entre os tanques e simuladores credenciados, dois docentes da Escola Politécnica da USP passaram a fazer parte dos comitês do ITTC: o professor Eduardo Aoun Tannuri do Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos (PMR), e o professor Pedro Cardozo de Mello, coordenador de projetos e do Calibrador Hidrodinâmico (CH-TPN). Tannuri integra o comitê que trata de pesquisas envolvendo questões de manobrabilidade, enquanto Mello está no comitê sobre modelagem de condições ambientais.

 TPN foi idealizado e é coordenado pelo professor do Departamento de Engenharia Naval e Oceânica (PNV), Kazuo Nishimoto. Trata-se de uma estrutura única no Brasil. Além do Calibrador Hidrodinâmico, onde está o tanque, propriamente dito, abriga o Centro de Simulações Náuticas e Portuárias, coordenado pelo professor Tannuri e composto por seis simuladores. “O ITCC reúne os principais laboratórios do mundo focados em desenvolvimento de tanques de prova e simuladores para engenharia e pesquisa. Ser credenciado nessa rede é um reconhecimento do alto nível dos trabalhos que executamos aqui”, destaca o docente. “Poucas instituições têm tanque e simulador credenciados no ITCC. Em geral, eles têm um ou outro. Essa ideia de juntar o numérico com o experimental, que foi concebida pelo professor Kazuo, nos torna únicos, pois são poucos os que têm ambas as capacitações”, acrescenta.

Inaugurado em 2010, o laboratório brasileiro é uma referência na área, e foi criado com o objetivo de auxiliar a Petrobras a solucionar os desafios tecnológicos na exploração de petróleo e gás na camada do pré-sal. Mais do que isso, hoje o TPN possui outras plataformas para testes, como o Simulador Marítimo Hidroviário, uma das facilities do Centro de Simulações do TPN que permite aos profissionais responsáveis pelas manobras de atracação em portos brasileiros realizar treinamentos de novas operações, por exemplo, e que também atende a diversos atores do setor, como órgãos de governo e empresas

O que é um Tanque de Provas Numérico - Um tanque de provas é um centro de tecnologia com uma estrutura que permite aos pesquisadores projetar e testar embarcações e seus materiais de maneira mais adequada para a sua aplicação prática, além de verificar a operação e manobra em ambiente offshore ou portuário. Trata-se de um laboratório que integra os testes físicos com os testes em computador, por meio de um simulador numérico capaz de representar matematicamente condições idênticas às geradas em um tanque físico, sem restrições dimensionais. Além disso, o simulador possui quase a totalidade dos portos brasileiros modelados, permitindo a realização de testes também de manobras em áreas restritas, considerando as condições ambientais típicas de cada região.

Este conhecimento gerado pelos pesquisadores permite à indústria projetar embarcações e operações seguras e adequadas para determinado cenário ambiental. Por exemplo, uma plataforma de petróleo utilizada na extração do petróleo na camada de pré-sal deve oferecer segurança de operação em um contexto de mar aberto, grande profundidade, ondas e correntes em determinado padrão que só ocorrem no litoral brasileiro.  

O TPN possui um grande tanque, o Calibrador Hidrodinâmico, com pás em toda a sua borda, que se movem gerando ondas de maneira a simular a condição a que será submetida à embarcação sendo testada. Os dados obtidos com os testes não são suficientes para se ter uma noção precisa da realidade, para isso os dados são inseridos em um complexo programa de um supercomputador, capaz de realizar os cálculos que resultarão, com grande precisão, nas informações necessárias para o projeto em questão. Dessa forma, uma parte da simulação é feita fisicamente, e a outra por meio de cálculos. Algumas demonstrações podem ser assistidas no link.

 

Diretoria defere inscrições para eleições discentes no PMI e PMT

Deferimento inscrições – Eleições discentes PMI e PMT

Em nome do Senhor Diretor, Prof. Dr. José Roberto Castilho Piqueira, informamos o deferimento dos pedidos de inscrições:

Portaria 2230/2017 – Representação discente junto ao Conselho de Departamento e à CoC do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais – PMT:

Chapas deferidas:

  • Conselho: Rodrigo Rossi Viana (Titular) e Arthur da Rocha Albertini (Suplente);
  • CoC: Rodrigo Rossi Viana (Titular) e Natália Alberti Guedes (Suplente);

Portaria 2231/2017 – Representação discente junto ao Conselho de Departamento e à CoC do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo – PMI:

Chapas deferidas:

  • Conselho: Eriky Yukio Kunitake (Titular) e Eduardo Henrique Marsola Nino de Guzman (Suplente);
  • CoC: Thor Martins Saprudsky (Titular) e Caroline Nascimento dos Santos (Suplente);

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

 

Tanque Numérico de Provas da USP desenvolve simulador naval de alta definição

Telas 4K, que vão até o chão, permitem simulações realísticas no mar e nos portos, graças a um sistema desenvolvido pela Poli-USP

O Tanque Numérico de Provas (TPN) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) desenvolveu um novo simulador naval que servirá também apoiar as operações da indústria de petróleo. Com telas 4K, que vão até o chão da cabine de comando, ele conta com cluster gráfico que gera imagens em altíssima resolução, possibilitando que os usuários ‘enxerguem’ pequenos detalhes, como boias e postes de sinalização, a uma grande distância –  o que é fundamental para as operações de simulação.

“Sua cabine é bastante flexível, pois pode simular vários tipos de operações, como as de rebocadores offshore [que atuam em alto mar] e portuários e em uma cabine de guindaste offshore realizando transferência de carga de um navio para uma plataforma de petróleo”, explica o professor do Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos da Poli, Eduardo Aoun Tannuri, coordenador do Centro de Simulações Náuticas e Portuárias do TPN.

Segundo Tannuri, o 4K, em conjunto com demais simuladores do TPN, será muito importante para os estudos relacionados às operações no pré-sal. “Porque os poços ficam distantes da costa e há muitas operações para levar e tirar equipamentos e outros insumos da plataforma que demandam o uso de guindastes”, completa. “Além disso, poderemos simular instalações de equipamentos submarinos com maior realismo. Tudo isso precisa ser simulado para garantir a segurança e eficiência das operações”, acrescenta.

Aplicações diversas – Atualmente, o TPN possui seis simuladores em operação. São quatro de porte médio e dois do tipo full-mission, um com visão de 270 graus, outro, com 360 graus. O Domo (270 graus), é o maior e o principal deles. Utiliza 32 projetores full HD (projetando inclusive no chão) e é ideal para operações em que é necessário visualizar o berço de atracação. Sua tela de projeção tem 12 metros de diâmetro, dando realismo ainda maior. “Um dos grandes desafios deste projeto foi o software de visualização que desenvolvemos. Foi um trabalho de enorme complexidade porque precisamos juntar a imagem de 32 projetores para formar o que vemos nas telas. Utilizamos software de realidade virtual, de forma que as pessoas se sentem como se estivessem, de fato, dentro do navio”, conta.

O outro simulador do tipo Full Mission  possui 360 graus de ângulo de visão, com 35 telas Full-HD e com ponte de comando frontal e traseira. É ideal para simular navios convencionais ou navios de suporte, que possuem possibilidade de operar com comando traseiro. Há também os simuladores Part Task 1 e Part Task 2, cada um com oito telas de visualização, e muito usados para simular rebocadores; e o SMH-4D, com uma tela de grandes dimensões e que ainda simula os movimentos do navio no mar por ter uma plataforma móvel. Segundo Tannuri, no ano que vem será concluído o sétimo simulador, que retratará uma cabine de controle de lastro de plataforma e já está parcialmente montado.

O TPN conta ainda com um centro multimídia, chamado de Debriefing Room, que apresenta uma visão aérea da simulação em tempo real e painel com informações técnicas da manobra (velocidades, comandos rebocadores, leme / ação da hélice) que permite uma descrição completa da manobra cinco minutos após a simulação ter sido concluída.

Operação multiplayer – Segundo Tannuri, cada simulador pode ser operado isoladamente ou em modo multiplayer, ou seja, o laboratório consegue colocar os seis simuladores para interagir, em tempo real, como se estivessem operando em um único ambiente. “Com a integração dos simuladores, é possível que um prático e os comandantes dos rebocadores avaliem de forma conjunta as operações”, conta. “Também podemos simular operações com um navio que esteja no mesmo cenário que outros três navios de suporte e uma operação de guindaste, todos sendo executados ao mesmo tempo, em tempo real, e todos visualizando e operando no mesmo ambiente portuário ou offshore”, conta.

Para chegar a esse nível de sofisticação foi preciso muita pesquisa. “Tivemos de desenvolver tecnologia para aprimorar a nossa comunicação de rede, melhorar os softwares que já tínhamos desenvolvidos, trabalhar na geração de conteúdo capaz de ser apresentado em tela 4K, adaptando todos os nossos modelos visuais para se adequarem ao 4K etc”, enumera.

Todos os projetos que resultaram nas inovações no TPN são parte de um convênio da Poli-USP com o Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes) e a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) que tem duração de cinco anos e prevê investimentos de R$ 6 milhões para a instalação de toda a infraestrutura do laboratório, bolsas para pesquisadores, viagens para congressos e realização de eventos científicos, além da aquisição de equipamentos e obras civis de construção e ampliação do TPN. Outras informações sobre os simuladores neste site.

 

Divulgados os resultados das eleições discentes no Dep. de Eng. Mecatrônica e Pós em Eng. Mecânica

Resultado de eleições discentes: PMR e PPGEM

Informamos o resultado das eleições para representação discentes junto ao Conselho de Departamento e à Comissão de Coordenação de Curso do Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos (Portaria 2224 de 04/10/2017) e junto à Comissão de Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica (Portaria 2225 de 06/10/2017) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo:

Portaria 2224/2017 – PMR:

Chapas eleitas para o Conselho de Departamento – PMR:

  • Ana Paula Manfrinatti Neuenschwander (Titular) e Luís Felipe Gomes de Oliveira (Suplente)
  • Clara Ploretti Cappatto (Titular) e Ana Emilia Hernandes Dib (Suplente)

Chapa eleita para a Comissão Coordenadora de Curso – CoC PMR: 

  • Ana Paula Manfrinatti Neuenschwander (Titular) e Luís Felipe Gomes de Oliveira (Suplente)

 

Portaria 2225/2017 – PPGEM:


Chapa eleita:

Divulgados os resultados das eleições discentes no Dep. de Eng. Mecatrônica e Pós em Eng. Mecânica
  • Eloy Mendes Lopes Filho (Titular) e Luís Henrique Camargo Quiroz (Suplente)

Os mandatos somente terão início após a validação do processo eleitoral pela Procuradoria Geral da USP.

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

 

Diretoria defere pedido de inscrições para representação discente na Pós da Eng. de Minas e Petróleo

Deferimento inscrições – Eleições discentes CCP-PMI

Em nome do Senhor Diretor, Prof. Dr. José Roberto Castilho Piqueira, informamos o deferimento dos pedidos de inscrições:

Portaria 2235/2017 – Representação discente junto à Comissão de Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas e de Petróleo – CCP PMI:

Chapa deferida:

  • Paula Oliveira Figueiredo (Titular) e Lívia Marques Faustino (Suplente);

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

 

Flexibilização do trabalho é tema da Jornada da Ergonomia Poli-USP

O evento já está em sua 13ª edição e reúne especialistas para discussão do assunto, em meio às mudanças que começam a vigorar com a reforma trabalhista

“Um mundo de transformação: desafios da flexibilização/precarização do trabalho” é o tema da XIII Jornada da Ergonomia, que começou nesta segunda-feira (13/11) e termina hoje (14/11), na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP). Organizado por uma comissão de docentes do Departamento de Engenharia de Produção (PRO) da Poli, o evento reúne professores, especialistas e pesquisadores do assunto para uma programação com quatro mesas de debate, apresentação de trabalhos e encontro de jovens pesquisadores.

Ergonomia diz respeito à ciência que busca melhorar e transformar o trabalho por meio da análise do mesmo. Ela é um dos braços da denominada Ciências do Trabalho, composta também por estudos em Engenharia, Sociologia, Psicodinâmica de Trabalho, entre outros.

Laerte Idal Sznelwar, um dos organizadores da Jornada, explicou que a escolha do tema foi feita levando em consideração a sua relevância para a sociedade civil, e que as dificuldades em tratar do assunto – por ser amplo e englobar uma série de questões – serão, segundo ele, vencidas pelo nível de discussões levantadas nos dois dias do evento. O objetivo principal do evento é, então, o de tentar entender como a flexibilização do trabalho irá impactar as relações sociais.

O docente afirmou que um dos tópicos da Jornada será buscar entender o que mudou, nos últimos anos, na Ergonomia e nas outras ciências do trabalho, uma vez que a mudança nas legislações tocam diretamente esse campo e fomenta uma séria de questões, como por exemplo se é possível, nas empresas, criar um ambiente de crescimento pessoal mesmo com a flexibilização do trabalho.

Diante dos discursos completamente antagônicos a respeito da aprovação do texto da reforma trabalhista, Idal afirmou que escolher um lado não é o que se pretende com a Jornada. “Espero que possamos debater de que maneira isso pode impactar o convívio social”, finalizou.

Tema da atualidade – A abertura do evento contou com a presença do professor e diretor da Poli, José Roberto Castilho Piqueira; do representante da chefia do PRO, Mauro Spinola; do presidente da Associação Brasileira de Ergonomia (Abergo), Paulo Antonio Oliveira; do adido de Ciência e Tecnologia do Consulado Geral da França no Brasil, Gérard Perrier; e do presidente da Fundação Vanzolini, João Amato Neto.

Piqueira chamou atenção para o fato da flexibilização do trabalho estar sendo muito discutida pela sociedade civil atualmente, principalmente com a recente aprovação da legislação que prevê mudanças nas relações trabalhistas. Segundo ele, a Escola possui um compromisso em discutir o impacto que a nova lei poderá causar na população. “Nada mais justo do que este tema entrar em discussão na academia, uma vez que a Poli nasceu em 1893 já com ideais republicanos”, afirmou.

Para Spinola, o evento é motivo de orgulho para o Departamento de Engenharia de Produção, pois tem como foco principal a melhoria da qualidade de vida do ser humano e possui o caráter de sempre buscar o aperfeiçoamento. Já o adido do Consulado francês destacou a semelhança com a situação da França, uma vez que eles também passaram por mudanças nas legislações trabalhistas recentemente. “Espero que o evento sirva, dessa forma, para a aproximação entre os especialistas e pesquisadores”, completou.

Segundo a organização do evento, nos últimos anos os estudos em Ergonomia passaram por uma ampla consolidação, e entre as pesquisas relevantes sobre o tema pode-se citar as desenvolvidas pelo grupo “Trabalho, Tecnologia e Organização” (TTO), do PRO.

Confira as fotos da abertura no álbum de fotos do Flickr da Escola.

 


Página 5 de 27