Escola Politécnica da USP

usp.br

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte


Para valorizar sua história, Escola Politécnica cria “Dia da Poli”

Portaria oficializa comemorações realizadas na data de fundação da Escola

A partir deste ano de 2017, a Escola Politécnica da USP passa a comemorar o “Dia da Poli” em todo dia 24 de agosto. A data marca a criação da tradicional escola de engenharia, que em 1893 foi oficializada pela publicação da lei nº 191, da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Após 124 anos, os docentes da Escola acreditam que a ação é um importante passo para que os alunos conheçam com mais detalhes a história e entendam os impactos das atividades de ensino e pesquisa executadas pela instituição no desenvolvimento tecnológico da cidade de São Paulo, do Estado e do País.

A vice-diretora da Poli-USP, professora Liedi Légi Bariani Bernucci, enfatiza que “entender a história da Escola é entender também a nossa missão”. A docente, que se formou no curso de Engenharia Civil em 1981, explica que este tipo de ação não é uma questão de cultuar, mas sim de conhecer as memórias da Poli, de forma que o aluno identifique o momento histórico em que se deu a fundação da Escola, e com que propósito. “Ele precisa entender o que estava acontecendo, e qual foi o papel da Escola, para poder trazer para os dias atuais essa lição de que uma instituição universitária pode colaborar com a modificação da economia e da sociedade”.

Liedi frisa que estar na Poli não significa apenas mais uma etapa para adquirir conhecimento. “Hoje, nós precisamos ainda somar esse retorno social e econômico com sustentabilidade, pois temos essa preocupação com o meio ambiente, por meio de processos otimizados que contemplem também os aspectos ambientais”, complementa.

O professor do Departamento de Engenharia Mecatrônica, Nicola Getschko, idealizou a portaria que estabelece as comemorações de 24 de agosto. O docente acredita que é necessário conhecer as conquistas para poder prestigiá-las. Ele se baseou em uma cultura comum existente em renomadas universidades pelo mundo, que trata de valorizar a história das instituições, praticando o hábito de enaltecer as conquistas alcançadas pelos alunos, ex-alunos e professores. “Além da comemoração da data [de aniversário de criação da Escola], a proposta visa estimular a participação de professores e alunos. Quem não conhece a história da Escola, não tem como valorizar a instituição”, comenta o professor, que considera ser esta uma maneira de valorizar os cursos da Poli, divulgando as contribuições que os politécnicos já fizeram para o Brasil.

Getschko, também um ex-aluno da Escola Politécnica, ressalta que é uma honra e uma responsabilidade fazer parte da história da instituição. “Temos a obrigação de continuar este legado. O politécnico tem essa possibilidade de se orgulhar, e a corresponsabilidade de continuar essa história”. Ele acredita que, por meio de ações que envolvam os docentes na disseminação de informações sobre a Escola, os alunos estarão motivados a enxergarem vários exemplos a serem seguidos. “Historicamente, o que construiu a Poli foram os alunos, com muita garra, conhecimento e dedicação. É necessário pavimentar o caminho para que essa história continue com os novos alunos”, defende o professor.

O Dia da Poli foi instituído pela portaria DIR 2111 pelo diretor da Escola Politécnica da USP, professor José Roberto Castilho Piqueira, após aprovação pela Congregação da Escola no dia 16 de fevereiro de 2017.

 

Sociedade de engenheiros de petróleo premia alunos da Poli-USP

Pelo terceiro ano consecutivo, organização profissional da indústria de óleo e gás dá prêmio máximo aos estudantes de engenharia de petróleo da Escola Politécnica

O Capítulo Estudantil da USP, organização universitária composta pelos alunos de Engenharia de Petróleo da Escola Politécnica, receberá da Sociedade dos Engenheiros de Petróleo (SPE) um prêmio pelas atividades desenvolvidas ao longo do último ano. O “2017 Outstanding Student Chapter Award” é o mais alto reconhecimento concedido pela organização aos segmentos estudantis, pelo seu trabalho exemplar em atividades que promovem o engajamento local da indústria, o envolvimento da comunidade, o desenvolvimento profissional e a inovação.

O Capítulo Estudantil da USP funciona no campus de Santos, onde desde 2012 a Escola Politécnica oferece o curso de Engenharia de Petróleo. Em 2014, o grupo recebeu o Prêmio Gold Standard, concedido pela SPE a apenas 19 dos 310 Capítulos existentes em todo mundo, e desde então eles têm se destacado, recebendo a premiação máxima em 2015, 2016 e neste ano de 2017. O professor Giorgio de Tomi ressalta que essa nova premiação recebida pelo Capítulo Estudantil é motivo de muito orgulho para o Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo da Poli, chefiado por ele. “O prêmio é um reconhecimento da abordagem profissional e dedicada de nossos alunos em sua atuação acadêmica e junto à comunidade. Esta destacada atuação dos nossos alunos está sendo reconhecida não apenas pela SPE e pela indústria, mas também por outras instituições internacionais”, conta o docente.

A direção regional da SPE, que engloba os países da América do Sul e do Caribe, ressaltou que são premiados apenas os projetos com nível de excelência, e agradeceu pelo alto nível da programação desenvolvida pelos estudantes, e oferecida aos membros da associação e para a comunidade local.

A premiação será realizada em San Antonio, uma cidade americana do estado do Texas, onde a Sociedade dos Engenheiros de Petróleo realizará uma conferência técnica anual. Os estudantes estão em busca de apoio para participar do evento, uma vez que a SPE não cobre os custos de viagem e estadia. Para apoiar os estudantes, entre em contato com o Capítulo pelo e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. "> Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. .

Mas o que faz um capítulo estudantil da SPE?

A organização é orientada a atuar em três frentes: social, profissional e acadêmica. Na área social, eles promovem atividades que os colocam em contato direto com a comunidade local e seus desafios. Os estudantes buscam atender a uma necessidade da comunidade, seja em momentos específicos, como no caso de um banco de sangue estar com baixo estoque, ou em datas comemorativas, quando arrecadam brinquedos, roupas e mantimentos. A doação de sangue e o Natal Solidário já fazem parte do calendário do SPE da USP. A interação com a comunidade local é uma exigência da SPE, para que a sociedade os reconheça como cidadãos engajados, que estão se interando do seu entorno ao longo da sua formação. Porém, o mais importante é a satisfação demonstrada pelos alunos ao realizarem atividades sociais como estas.

No âmbito acadêmico, o Capítulo promove eventos de divulgação científica e de oportunidades, como o Petro Science, ciclo de palestras que divulga oportunidades de iniciação científica aos alunos de graduação, e o PetroMasters, evento aberto ao público que apresenta os cursos de pós-graduação oferecidos na área de Engenharia de Petróleo.

E por fim, englobando as três áreas, o Capítulo promove anualmente o seu evento mais importante, o Workshop do Petróleo. O evento teve a sua quarta edição em novembro do último ano, e trouxe profissionais e representantes da academia para debater o futuro da indústria de óleo e gás. Yan Vieira, que fez parte da direção do capítulo em 2016, explica que o Workshop engloba todos os aspectos que o Capítulo deve prezar, desde a construção de relacionamentos profissionais (networking) até a divulgação de conhecimento especializado sobre a área. “É possível aperfeiçoar outras habilidades, como liderança e organização, uma vez que a organização dos eventos é realizada diretamente pelos membros da equipe”.

Outras informações sobre o Capítulo Estudantil da USP e suas atividades no site https://www.facebook.com/capitulospeusp/.

 

Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais divulga resultado das eleições discentes

Informamos o resultado das eleições para representação discente junto à Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, conforme a portaria nº 2186 de 06/07/2017:

Chapa eleita: Éder Baroni da Silveira (Titular) e Gustavo José de Souza (Suplente).

Os mandatos terão início após a validação do processo eleitoral pela Procuradoria Geral da USP.

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

 

Alunos de Pré-IC da Poli Santos apresentam projetos em sua escola de origem

O ingresso na Universidade de São Paulo e na vida universitária pode parecer uma realidade distante para muitos jovens de escolas públicas, uma vez que o vestibular da USP está entre os mais concorridos do país. Para aproximar estes jovens da ciência, apresentando a possibilidade de uma carreira acadêmica, o Programa de Pré-Iniciação Científica (Pré-IC) da USP leva alunos de escolas da rede pública de ensino a realizarem atividades de ensino e pesquisa dentro da universidade.

Participantes do projeto de pré-iniciação científica da USP no campus de Santos puderam apresentar o resultado do seu projeto para os seus colegas de escola. Os estudantes Antônio Vieira Rocha Neto e Lincon Almeida Santos relataram sua experiência para alunos de três turmas de ensino médio no último dia 4 de agosto, na Escola Estadual Cleóbulo Amazonas Duarte, onde estudam. Além de falar sobre o seu projeto, eles contaram aos colegas como funciona a universidade, como se dá o ingresso, e como foi conviver com professores e alunos da USP.

Antônio e Lincon cursam o ensino médio e participaram de um projeto no qual se utilizaram da estrutura do DNA para aprender a dimensionar um objeto em uma impressora 3D. Orientados pela professora Elsa Vásquez Alvarez, do departamento de Engenharia de Minas e Petróleo da Poli-USP, e com bolsas de órgãos de fomento como o CNPq, eles estudaram todo o funcionamento do DNA, para depois construírem uma estrutura em plástico que representasse a sequência genética. Para isso, foi necessário que os estudantes aprendessem a utilizar o programa de desenho em três dimensões que opera o equipamento.

Antonio tem 17 anos e está no momento de optar por uma carreira. Ele conta não sabia por qual caminho seguir, e que a participação no projeto foi fundamental para ajudar na escolha de uma profissão. Ele afirma que o contato com os alunos da USP durante o projeto fez toda a diferença, e despertou o seu interesse pelas ciências exatas, área pela qual ele não tinha  sentido afinidade anteriormente. Após a experiência no Pré-IC da Universidade, ele decidiu que estudará Engenharia de Petróleo, curso oferecido pela Escola Politécnica da USP na cidade de Santos. Outro ponto positivo destacado pelo jovem foi o fato de o projeto ser realizado em sua cidade, o que o levou a conhecer as atividades da Poli-USP em Santos, desde o curso de graduação aos laboratórios de pesquisa.

A Escola Politécnica da USP já realiza projetos de pré-iniciação científica como este há alguns anos, tanto no campus da capital, como no campus de Santos. Apoiados por órgãos públicos como CNPq e por entidades como a Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE), o projeto tem sido aprimorado ano após ano.Foram incluídas aulas de matemática, física e química, e implementado um circuito de visitas a diferentes laboratórios para que os alunos possam conhecer as diferentes áreas da engenharia. Eles também passaram a realizar experiências práticas, como o desenvolvimento de protótipos em 3D proposto pela professora Elsa Vásquez. Para obter outras informações sobre como incluir uma escola para participar do Pré-IC, entre em contato com o setor de pesquisa da Poli-USP pelo e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 

Departamento de Engenharia Química da Poli apresenta resultado de eleições discentes

Resultado das eleições discentes do Departamento de Engenharia Química da EPUSP:

Informamos o resultado das eleições para representação discente junto ao Conselho do Departamento e à Comissão Coordenadora de Cursos do Departamento de Engenharia Química da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, conforme a portaria nº 2184 de 03/07/2017:

Conselho do Departamento:

Chapa: Caio Rodrigues Gomes (Titular) e Daniela Sejung Kang (Suplente).

CoC:

Chapa: Matheus Enfeldt (Titular) e João Henrique de Lima Noronha (Suplente).

Os mandatos terão início após a validação do processo eleitoral pela Procuradoria Geral da USP.

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

 

Poli-USP e Universidade de Illinois discutem estratégias para aproximação das instituições

Visita de Hannah Christensen, que coordena os programas internacionais da universidade americana, levantou a possibilidade de acordos na área da Engenharia Civil 

A Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) recebeu, no último dia 8 de agosto, a visita da University of Illinois at Urbana-Champaign representada por Hannah Christensen, coordenadora dos programas internacionais da instituição. Juntamente com Henrique Lindenberg Neto, presidente da Comissão de Relações Internacionais da Poli, e com os docentes José Rodolfo Scarati Martins e Túlio Nogueira Bittencourt, foram levantadas as possibilidades de acordos e parcerias entre ambas as universidades.

A reunião ocorreu no Prédio da Administração Central da Escola. Durante a conversa, Cristensen explicou sobre o programa de duplo-diploma oferecido pela instituição americana, que funciona em um sistema “3+2”: o estudante estrangeiro faz os três primeiros anos de sua graduação em seu país de origem, e os dois seguintes em Illinóis, finalizando os estudos com dois diplomas.

Apesar do curso de Engenharia no Brasil ser ministrado em cinco anos, e nos EUA o mesmo ser concluído em quatro, Lindenberg afirmou que existem alternativas que podem ser estudadas para equivaler as graduações. Eles analisaram ainda as possibilidades de pesquisas em conjunto entre pós-graduandos e professores.

Eventuais problemas que os acordos de parceria poderão ter também estiveram na pauta da reunião, como a dificuldade que os estudantes americanos encontram em acompanhar as aulas em português, a atuação no mercado de trabalho que os diplomas proporcionarão, e a redução dos financiamentos federais para a internacionalização dos alunos brasileiros.

Após a reunião, Christensen foi convidada a conhecer o Laboratório de Estruturas e Materiais Estruturais, coordenado por Bittencourt.

Sobre a University of Illinois – Para contextualizar melhor os presentes, Christensen fez uma breve apresentação da instituição e mais especificamente do Departamento de Engenharia Civil da universidade, uma vez que a intenção é que a Poli se aproxime dele em específico.

A University of Illinois­­­ at Urbana-Champaign foi fundada em 1867, 16 anos antes da Poli. Em seu corpo docente, já teve nomes como Vent T. Chow e Ralph Perk, e só no Departamento de Engenharia Civil, tem mais de cinquenta professores. Já esteve envolvida em importantes construções, como a Torre Latinoamericana, um arranha-céu localizado no México com mais de 188 metros de altura.

Atualmente, a universidade conta com aproximadamente 800 estudantes de graduação e a mesma quantidade de pós-graduandos, além de mais de 500 acordos formais de cooperação com outras instituições de ensino ao redor do mundo. 

 

Poli irá mobilizar cerca de cem voluntários para feira vocacional da USP

Feira USP e as Profissões conta com exposições das mais de 55 Unidades de Ensino e pesquisa da Universidade.

Durante os dias 24, 25 e 26 de agosto, estudantes do Ensino Médio e pré-vestibulandos poderão conhecer melhor os mais de 140 cursos de graduação oferecidos pela Universidade de São Paulo (USP). O evento é uma iniciativa da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária e conta com duas versões anuais, uma em São Paulo e a outra em cidades do interior. A versão da capital acontecerá no Parque Cientec, às 9 horas. O evento é aberto, e as inscrições são apenas para controle do fluxo de público, pesquisa e preparação da monitoria para atendimento nos dias da feira. Veja como se inscrever no link http://prceu.usp.br/uspprofissoes/.

A Feira USP e as Profissões já está em sua 11ª edição e terá estandes das diversas Faculdades, onde os visitantes receberão informações das equipes de professores, alunos e funcionários da Universidade sobre as Unidades de Ensino e suas infraestruturas. Há ainda atividades paralelas durante todo o dia, como dinâmicas de orientação vocacional, palestras e shows de física e química.

A Escola Politécnica (Poli-USP) já está se preparando para a Feira. Cerca de cem pessoas dentre alunos, professores e funcionários comparecerão nos três dias e estarão dispostos a conversar com os visitantes a respeito das instalações e cursos da Escola.

“Para a Poli, será mais uma oportunidade em que os alunos do ensino médio terão contato com professores e alunos de todos os cursos Escola”, afirma Mércia Bottura de Barros, docente responsável por organizar os voluntários da Poli. Ela se refere à visita monitorada realizada na Escola no primeiro semestre do ano, quando a Poli recebeu cerca de 900 pré-vestibulandos para uma visita aos sues laboratórios e instalações e para conversas com alunos e docentes.

Apesar da possibilidade de conhecer e aprender sobre todas as 55 Unidades de Ensino da USP, a Feira não proporciona uma visita ao Campus da Capital. Porém, isso é possível por meio do programa Giro Cultural, também promovido pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária. Trata-se de visitas que acontecem na USP em um giro panorâmico em forma de tour aos museus das unidades do Campus Butantã.

------------------------

Serviço

Feira USP e as Profissões
Data:
24, 25 e 26 de agosto de 2017.
Horário: 9 horas.
Local: Parque Cientec USP
Endereço: Av. Miguel Estéfano, 4200 - Vila Agua Funda, São Paulo - SP, 04301-904

Inscrições: http://prceu.usp.br/uspprofissoes/

 


Página 1 de 27